terça-feira, 20 de agosto de 2013

O trigo, e suas características.


As características do cereal

Dentro de cada haste do trigo, encerra-se uma fórmula perfeitamente harmônica, composta de substâncias que, juntas, agiriam a favor do desenvolvimento do próprio vegetal. Mas o homem, claro, logo aprendeu a tirar proveito delas, por isso não desperdiça nada. Hoje em dia, ele ainda desenvolve modernas tecnologias de cultivo para que as colheitas sejam cada vez mais fartas e a qualidade da planta esteja sempre se aprimorando. Isso, acredite, está longe de ser fácil. Afinal, por trás da aparência bastante singela do trigo está uma planta cheia de predileções em relação ao solo e ao clima. É preciso respeitar humildemente suas vontades e cercar-se do que existe de mais sofisticado em termos de agricultura para satisfazer aos seus desejos. Só assim é possível atender à imensa demanda do mundo atual com safras de excelente padrão.

Vamos por parte:
Farelo: A camada mais externa oferece fibras, vitaminas do complexo B e sais minerais, como o potássio, o ferro, o magnésio e o zinco.

Endosperma: Trata-se do maior componente do grão, correspondendo a mais de 80% do seu conteúdo. É lotado de carboidrato em forma de amido. Contém ainda porções de proteína que formam o glúten.

Gérmen: Aqui fica o embrião da planta, ou seja, um novo ser. Para alimentá-lo, há uma oferta generosa de gorduras poli-insaturadas, vitaminas do complexo B e E e ainda minerais como o fósforo.



Curiosidade:
Onde há trigo, há festa!
O nome "cereal" remete a Ceres, a deusa romana da agricultura - que é a Démeter para os gregos. Em estátuas e pinturas, ela aparece sempre enfeitada com ramos de trigo, o ingrediente indispensável da cerealia, a celebração realizada na Roma antiga para homenageá-la. O banquete, que comemorava o sucesso das colheitas graças à deusa, durava até três dias. Alimentos à base de trigo também eram o prato principal nas festividades de outros povos antigos, como os babilônios, os sumérios e os judeus.
Nas primícias, os primeiros grãos da colheita eram oferecidos a Deus para demonstrar gratidão e disso teria surgido o conceito religioso do dízimo. É igualmente antiga a ideia de fazer um bolo de aniversário. O costume surgiu na Grécia, quando se homenageava Artemis, a deusa da caça, com um bolo no sexto dia de cada mês. Por que o bolo? Porque seria uma receita feita com trigo, o símbolo da fartura.

Só na Idade Média, porém, é que veio a mania de colocar velinhas - assim os camponeses europeus acordavam o aniversariante antes do raiar do dia. Nesse mesmo período, o trigo aparece com frequência no brasão de famílias nobres - de novo, por representar a abundância. O trigo se fez presente até nas origens do Halloween (o Dia das Bruxas), festejado em outubro nos países do Hemisfério Norte. O que, tempos depois, no século 19, inspirou uma brincadeira na Escócia, o tap-pickle: a moça, de olhos vendados, deveria colher três espigas do cereal. Se faltasse grãos em uma delas, seria sinal de que ela não era pura - para não dizer que seria meio bruxa. Há grãos e grãos. Conforme a composição, eles se tornam mais adequados para fazer pães, bolos ou, ainda, biscoitos.


fonte:Saúde.abril
foto: reprodução

0 comentários:

Postar um comentário