segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Dilemas da mesa de boteco: afinal, por que consumir cerveja artesanal?



O ditado popular "menos é mais" é utilizado em diversas ocasiões, recorrente no mundo da moda, por exemplo, mas também pode ser aplicado quando o assunto é cerveja. E mais, especificamente, cerveja artesanal. Formando um ciclo virtuoso, em que cada vez mais se produz, seja para consumo próprio ou comercialização, e cada vez mais se bebe cerveja especial, acabamos em um dilema digno de um bom bate-papo no boteco: afinal, o que nos motiva e por que consumir cerveja artesanal?

Sabemos que o Brasil é o terceiro produtor de cerveja do mundo e o segmento das especiais está em franca expansão. Além disso, no país temos uma infinidade de rótulos nacionais e importados (nem sempre artesanais!). Sendo assim, o que nos leva a optar por uma e não pela outra? É a curiosidade e o anseio por experimentar algo novo? É a vontade de acompanhar uma moda ou tendência? É complicado identificar de onde surge o interesse, mas é possível afirmar que beber cerveja artesanal é resultado de uma subjetividade da escolha. Ou seja, cada um terá motivações diferentes, de acordo com o repertório e contexto em que se encontra e isso passa desde a condição financeira até a própria disposição para o consumo. Desse modo, cada um irá beber aquilo que lhe for útil, acessível, possível e agradável em determinado momento.

A possibilidade de escolha cresce diariamente, tanto de rótulos tradicionais e importados, como das especiais, mas listamos abaixo alguns motivos que podem levar as pessoas a consumir cerveja artesanal:

1) Qualidade
O primeiro ponto não poderia ser outro. Da mesma forma que aconteceu com o vinho no Brasil, na década de 80, quando os importados ganharam mercado e a população passou a ter mais oportunidades para experimentar e, consequentemente, consumir mais a bebida, a tendência é que ocorra o mesmo com a cerveja artesanal. Se antes os mais famosos e tradicionais rótulos nacionais satisfaziam o mercado, a partir dos anos 90, por uma série de motivos do processo de produção industrial da bebida, essas marcas passaram a não ter muitas diferenças entre si no paladar. Sendo assim, com um processo de produção e ingredientes diferenciados, o movimento das artesanais ganhou mais força.

Ao passo que a grande maioria das cervejas artesanais usam cem por cento de malte, no Brasil é comum as grandes empresas usarem outros cereais, principalmente o milho. Antárctica, Bohemia, Brahma, Itaipava, Kaiser, Skol e todas aquelas que citam em seus rótulos o ingrediente “cereais não maltados”, de acordo com a legislação brasileira, podem substituir até 45% do malte de cevada por outra fonte de carboidratos mais barata e o milho costuma figurar como a opção mais recorrente, causando até mesmo uma padronização do sabor.

Ainda que no começo a cerveja artesanal possa causar resistência ao paladar de algumas pessoas, por serem mais fortes e amargas, há quem diga que se trata de uma questão de hábito, de experimentar ou diferentes tipos, e encontrar aquele que mais agrada.


2) Estilo de vida
Há quem escolha a cerveja artesanal por perceber, admirar e querer fomentar todo o ecossistema artesanal que envolve a produção. Ou seja, consumir cerveja artesanal pode significar algo maior, como a história do mestre cervejeiro, a dinâmica de produção, os detalhes da receita, a origem dos ingredientes e todos as nuances de uma produção meticulosa e humanizada.

3) Oportunidade de crescimento para um negócio local
É inegável que o boom das artesanais está motivando muitos cozinheiros caseiros, mas também pequenos empreendimentos, que podem aproveitar o momento para gerar negócios de sucesso e impulsionar o segmento das cervejas artesanais. Pode ser um amigo, um vizinho ou apenas um conhecido da cidade, mas um empreendimento que dá certo acaba gerando um ciclo de desenvolvimento, então, por que não?

Esses são alguns dos motivos que podem nos levar ao consumo de uma cerveja artesanal ao invés de uma cerveja comum. Depois de compartilhar com a gente o seu motivo, veja em outro post como combinar cervejas e pratos na Holzweg.

0 comentários:

Postar um comentário